Mostrando postagens com marcador alemães. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador alemães. Mostrar todas as postagens

domingo, 22 de dezembro de 2013

fica aí minha mensagem de final de ano


Eu não sei vocês, mas essas imagens bobinhas-bonitinhas meio de auto-ajuda que a gente vê aí pelo face super me ajudam. Tenho uma pasta no computador com várias salvas e algumas das frases, eu escrevi a mão com aquarela e botei na minha parede do meu quarto aqui em Berlin. É bom olhar sempre pra essas frases, são sempre um bom tapa na cara.
Tipo hoje quando acordei e vi essa imagem compartilhada por uma amiga. Fuck your bad vibes.
Tinha acordado mal. Recebi uma ligação há 3 dias atrás ás 3am falando "sinto sua falta" e etc. E eu também sinto, mas a gente não dá certo, e a culpa é toda sua, você sabe disso. "Vem passar o Natal comigo, dia 26 pelo menos" São 3am da manhã, se você acordar amanhã e ainda quiser isso, me escreve.
Escreveu? Claro que não.
E aí eu fiquei mal, lógico. Antes eu estava bem, super bem, sabendo lidar com o fato de que eu sou muito boa para ele e que pessoas melhores vão aparecer/já estão aparecendo. E mesmo com todos esses pensamentos racionais, mesmo com todos os outros flertes muito mais interessantes, é com ele que eu tenho uma conexão. E tem duas coisas que eu já aprendi no alto dos meus 26 anos: 1. com essa idade já somos grandinhos o suficiente para saber o que/quem é bom ou não para a gente e ignorar/superar o que nos faz mal, mas 2. é muito difícil achar uma conexão com alguém. Então eu tenho seguido minha vida sem deixar o fato de eu ainda pensar nele hold me back. Mas nos últimos dias, não sei porque, época de Natal talvez(passei o último com ele), tenho sentido muita falta dele, E aí, só para piorar, ele me ligou, do nada. "Why do you only call me when your high?" Perguntei. Porque foi isso né. Me liga 3am e diz que tá sóbrio? Duvido. Tava carente só e se estivesse na mesma cidade que eu estou, isso seria um botty call.
Então hoje acordei mal e vi essa imagem. E é isso. "Fuck your bad vibes". Fuck que ele tá carente, Fuck todas as vezes que ele me faz me sentir mal, fuck essa coisa de conexão, pois não vale a pena. Fuck your bad vibes, porque ele realmente é uma pessoa pra baixo, e eu quis fazer ele feliz, mas ele curte um drama. E eu não. Então just fuck it. Ele simplesmente não é bom o bastante pra mim e TODO mundo sabe disso, incluindo ELE. Cansei dessa situação e como disse, já sou muito grandinha pra saber superar o que não me faz bem. O segredo é saber o seu valor e mudar o foco. Talvez agora no Natal, pelas mil lembranças que eu tenho, seja difícil desfocar, mas em 2014.. TCHAU EXÚ. Sério. To muito cansada.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

post grande com grande possibilidades de edição para ficar maior ainda

Acordei as 6h da manhã com o seu despertador. Ele se aprontou e marcamos de eu passar no café dele quando acordasse. Não dormi de novo. Fiquei pensando o quanto aqueles dois meses tinham sido tudo o que eu precisava, que eu não acreditava como tinha achado alguém com tudo que eu queria. Du überaschst mich jeden Tag, eu dizia sempre para ele toda vez que ele vinha com uma história nova. Como quando ele passou quase 3 anos na Austrália, ou quando ele foi fazer serviço social em hospital com crianças esquizofrências. Sem falar quando ele mostrava as fotos analógicas, as músicas, os poemas dele.. E aí, me apareceu com a ideia de ir pra África ficar 3 meses lá como se fosse a coisa mais normal do mundo. E pra ele é. E eu gosto disso nele: ele é free spirit, o que faz com que ele seja leve, light.. incrível.

Ainda na cama pensando sobre tudo isso, decidi botar tudo no papel, escrever uma carta de despedida já que era o nosso último dia juntos. Me vesti e fui pra casa. Meia hora no trem pensando no que escrever para ele.

Cheguei em casa.
Estava atrasada. Peguei logo meus pincéis, treinei um pouco a mão num papel e escrevi em outro: "Travel is the only thing you buy that makes you richer". Vi essa frase por esses dias no facebook e acho que se adequava bem ao momento - tanto para ele quanto para mim. Essa foi a minha primeira frase do cartão. O resto falava sobre o quanto eu estava feliz e orgulhosa dele ir para África, para ele aproveitar e aprender muito. E que eu esperava ter feito ele feliz quando nos encontrávamos, assim como ele me fez. Etc, etc.


domingo, 20 de outubro de 2013

é rir pra não chorar

Querem saber de uma coisa engraçada, mas previsível?
O boy oficial que pediu um ~tempo~, me ligou na sexta, dizendo que estava com saudades, que pensou em mim todos os dias em que pediu o tempo, que quis me ligar antes, mas só ligou naquele momento porque ele teve certeza que queria ficar comigo. Ok. Então tivemos maior DR no cel, eu falando tudo que me incomodava nele, e ele falando que me entendia, que ia tentar mudar. Ok.

Hoje, mais exatamente  há tipo 1h atrás, a gente foi se falar no skype pela primeira vez depois dessa """"volta""". No que ele liga a cam, vejo que ele tá com uma cara de cu e tal. Ok, deixei passar. Tentei na verdade, mas não consegui. Ele tava com tanta cara de bunda e tão calado que eu tive que ficar insistindo para saber o que que estava acontecendo. Depois de muito tempo, ele me fala que não está feliz. Ok. Mas não está feliz com o que, quirido? "Com o trabalho, com a gente, sei lá...". OI?! Mas você não tinha falado tipo dois dias antes, que tinha CER TEZA que queria ficar comigo, que gostava de mim?! Ai, homens, fadiga. E alemão né, o que piora tudo. É incrível como é unânime como todas as meninas daqui falam que os alemães tem issues. Não sei que que aconteceu na infância desse pessoal, porque o que eles tem de beleza, tem de merda na cabeça. Ou seja, onde fui amarrar meu burro, né.

Mas moving on.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

que mulher nunca?


O boy(oficial) pediu um tempo. TEMPO. Sério, cara.

E aí o que que eu fiz, como qualquer mulher normal? Compras, ÓBVIO.
Fiz aloka e gastei 100€ na Primark e H&M. Comprei 3 tricôs lindos que vão servir como blusas nesse outono/inverno, um hoodie pra botar embaixo do sobretudo e usar na chuvinha chata, uma calça vinho que eu tava mega querendo, uma blusa manga 3/4, uma bolsinha preta básica e um conjunto de calçinhas super fofo com os dias da semana(depois eu mostro aqui). Agora me diz onde no Brasil dá pra comprar tudo isso com R$300?! Qualquer vestidinho quenga na Cantão já é esse preço. Absurdo né?! Eu sempre soube que poderia me vestir melhor do que o normal aqui na Europa, porque eu sempre me recusei a gastar minha graninha suada com as roupas caras do Brasil. Mas finalmente meus problemas acabaram :)

E depois de ontem e das outras roupas que eu já tenho, acho que não vou precisar comprar mais nada por um bom tempo. Só tá faltando achar uma bota confortável com salto, essa é a missão do mês.

E sobre o boy fdp...

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

sobre aquele artigo sobre a geração Y do Huffington Post e outras coisas

Sim, eu me acho especial, Huffington Post. Eu tenho certeza que sou. Mas isso não é por culpa dos meus pais, pelo contrário. Cresci com uma mãe obssesiva que me fazia crer que nada/eu era bom o bastante, o que não me motivava a nada na vida, e um pai omisso a essas atitudes. Só tive certeza que era especial depois de três anos de terapia, os quais terminei por agora para vir para cá.
Enfim.

Me acho especial por que tenho certeza que sou uma pessoa boa. De bom coração, de boa vontade. E ao mesmo tempo sei dizer não, sei me defender. Mas não vou te magoar, vou tentar falar do jeito mais claro e educado possível minhas opiniões. E mesmo assim se você não entender minha posição, pedirei desculpas, pois também sei fazer isso. Ou seja, eu tenho certezas na vida. Acho que muitas pessoas são perdidas na vida por não terem certezas, muitas vezes sobre elas mesmas.
Calma, esse post não é um manifesto "olhem como eu sou foda". Até porque sou humana, mil defeitos(alto grau de auto sabotagem, por exemplo) e eu adoro falar sobre eles, adoro opiniões alheias para sempre tentar melhorar.

Mas isso tudo para tentar entender porque você não responde minha mensagem.

Sério. To cansada desses homens. Eu os chamo esses homens de homens-pombo. A gente não pode bater uma palminha, dar uma corridinha em direção a eles, que eles já saem correndo. Gente, calma. Eu só quero uma boa conversa, uma boa cerveja, um bom sexo e tá ótimo. Será que esses caras realmente ficam com medo que a gente vai se apaixonar por eles? Que a gente vai se transformar em uma stalker? Que a gente vai capar eles se eles sairem com outra ao mesmo tempo? Gente, calma. E me explica. Porque eu não entendo.

Não entendo por que tá tudo mil maravilhas, nenhuma cobrança, só risadas, carinhos e histórias de vida. Tá tudo bom de mais. Daí ele se assusta, some. Parabéns cromossomo Y.

Quantas vezes nós, meninas interessantes e super legais, que NÃO querem um relacionamento, teremos que passar por uma situação dessa. Custa responder uma mensagem, custa? Acho que é até questão de educação, sabe? Sua mãe não te deu não? Aliás, ela também não te ensinou como se trata uma mulher? Ou PESSOAS?

"Nossa, mas olha como você é louca, escrevendo só por que o cara não te respondeu. Não me admira que ele sumiu" Não cara, isso é só um desabafo de uma pessoa ansiosa(aí outro defeito) que tá botando toda essa frustração aqui pra fora, pra não mandar um mega SMS pra ele, pra AÍ SIM ele ter razão para se assustar/sumir/sei lá o que passa na cabeça desse indivíduo. O que eu sei é que eu fazia muito bem para essa pessoa. E isso me deixa confusa. Mas também por isso eu sei que ele vai aparecer de novo. É sempre assim né. Pena que eu já não vou estar tão mais afim dele.

Mas ok. Como diria minha terapeuta, "as pessoas são malucas, aceita."
Então habemus aceitação.

sábado, 21 de setembro de 2013

eu vi o franz ferdinand em berlin

E significou muito pra mim.
Desde o começo do ano eu tenho escutado muito Franz Ferdinand e David Bowie enquanto eu me preparava para vir para cá. Os riffs, os teclados, a áurea oitentista, ou sei lá o que, mas essas bandas tem alguma coisa que sempre me fazem lembrar de Berlin. Mas Franz é aquela bandinha do coração que me acompanha desde os tempos de escola. Em 2005 uma das minhas melhores amigas me deu o primeiro CD deles de aniversário. Em 2006 eu estava lá na primeira fileira do Circo Voador vendo a banda ficar embasbacada com todo mundo cantando "Walk Away" em coro. 
Aguardo, desde então, um novo encontro.

E ele aconteceu na última sexta.

video
Eles começaram com "Fresh Strawberrys", música super fofa que já me fez abrir maior sorrisão que ficou comigo até o final do show. Sério. Um dos maiores sorrisos que eu já dei na vida. Saí do show amando o mundo.

Eles também cantaram os clássicos como "Walk Away", "Take me out" e "Dark of the Matineé", o que me deixaram mais feliz ainda. Mas para mim faltou algumas como "Live Alone". Só perdoo porque eles tocaram a mais linda do álbum novo, "Standing in the Horizon".

video

Viram como eu tava pertinho? E como o pessoal tá muito quietinho? Ninguém com o bracinho pra cima! Eu era uma das mais animadas com certeza, e olha que eu tava me segurando. Dei um berro no final da primeira música, o que no Brasil é mega normal, mas senti uns olhares de reprovação das pessoas que estavam ao meu lado. Haha. Alemães.

Mas pelo menos estava todo mundo em pé. Esse lugar, Volksbühne, é um anfiteatro com cadeiras e tudo. Nunca fui em um show assim, achei meio estranho. Mas foi bom porque deu aloka no Nicki(guitarra) e ele começou a ANDAR pisando nas cadeiras. Chegou muito perto de mim, foi incrível. Alex(vocal, e que vocal) também foi incrível como sempre. Invejo muito o carão que ele faz e a presença de palco que ele tem. Sexy. Odeio essa palavra, mas é isso que Alex Kapranos é. Caguei pro resto da banda, esses dois sempre me hipinotizam. Eles sabem que são incríveis. E eu sempre juro que eles estão cantando pra mim, MIDEXA #egocentrismo #leonino.